18/03/11

Amar na Praia







Na praia estava pouca gente. O sol aquecia-lhe o corpo. Deitado, olhava para a mulher que, a seu lado, se deixava acariciar pelos raios solares e pela brisa que, de mansinho, soprava. Como era linda. O castanho dos mamilos apontados ao céu, fazia-se notar através do branco do biquíni. Na calcinha, quando molhada, o escuro da púbis sobressaía.

Sentia nele o entumecer do sexo, procurava, sem que ela apercebesse, escavar um pouco de areia para que ficasse menos incómoda a situação e deixava-se ali ficar pensando em várias coisas, até que o desejo passasse.

Ela levantou-se para ir a banhos e ele, atrapalhado, tentou disfarçar o embaraço colocando a mão em frente e, rapidamente, se dirigiu para a água fria. Lembrava-se que, quando garoto, a água fria era a solução ideal para arrefecer o desejo.

Atira-se à água para que não se notasse a erecção, ela também mergulha. Ao levantar-se, o biquíni molhado cola-se-lhe ao corpo. A forma dos seios apresentavam-se nítidos como se nada houvesse a tapar-lhes.

Olhou-o nos olhos, enlaçou as suas pernas na cintura dele, rodopiaram os corpos numa sintonia perfeita e, no mar, fizeram, pela primeira vez... Amor.