04/06/08

O Sonhador


  Longos vão os tempos, longa vai a vida. Há alturas que questionámos o que andamos aqui a fazer.

  Será a vida isto? Já não bastam os problemas sociais, raciais, ditatoriais em que o Homem tem um prazer enorme em causar dor a outro Homem, como ainda são os problemas conjugais, com os filhos, com os pais.

  Somos uma partícula do Cosmos, Deus é o próprio Universo. Não há um Deus que diga que tem que ser assim ou assado, a vida corre o seu rumo, a Natureza é que manda, tudo o resto são bananas da mesma bananeira. Tanto faz ser um cão como um gato como um macaco como um homem.

  O temor a Deus é para os pobres não é para os ricos!

  Se a Natureza treme, treme tudo. Tanto morre o bom como o mau, tanto morre a criança como o velho. Não há milagres, há é a sorte de cada um.

  Se alguém se salva foi milagre mas esquecem-se que outros milhares que mereciam igual sorte morreram.

  Em Myanmar (Birmânia) houve um ciclone que a devastou. Os ditadores recusaram a ajuda internacional, disseram eles que o povo não necessitava de ajuda, se tivessem fome comessem rãs. Gostava de ser pulga para saber se na mesa deles tinham só perninhas de rãs.

  A natureza não teve compaixão do pobre, Deus não teve compaixão das crianças, dos pais que morreram, dos que sofrem as agruras da prepotência dos ditadores. Os homens que matam em Seu nome não merecem viver, mas vivem!

  Se eu fosse Deus, mandava um raio que aniquilasse toda esta geração. Começaria tudo de novo e dava ao Homem a capacidade de pensar que há um Universo e, como diz Pascal:

“Senhor, somos fios de palha perdidos no Universo”


  Somos palha, mas há quem pense que é o próprio Universo.

  Se o raio viesse gostava de estar sentado, sozinho, a “olhar” a vida que vivi, lá longe onde o sol castiga mais.